Body Count e o heavy metal que ironiza o racismo

O sarcasmo é uma boa arma contra gente otária

Foto: site Body Count
Gostou? Compartilhe:

O Body Count surgiu na cena do heavy metal norte-americana fazendo muito barulho com seu álbum homônimo de estreia, lançado em 1992.

Comandada pelo rapper Ice-T, a banda usou sua sonoridade pesada para tratar de temas polêmicos, como racismo e violência policial.

12ª faixa do álbum, There Goes the Neighborhood abusa do sarcasmo para ironizar o racismo. Na letra, um suposto roqueiro branco reclama do protagonismo negro no rock.

“Don´t they know rock’s just for whites?” pergunta Ice-T, enquanto o próprio Body Count já é a resposta, demonstrando que a negritude ainda tem muito a oferecer para o estilo que criou.

Ficou inspirado para saber mais sobre o combate ao racismo? Conheça o trabalho do CEERT aí no botão.

CEERT

O CEERT — Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades — é uma organização não-governamental que produz conhecimento, desenvolve e executa projetos voltados para a promoção da igualdade de raça e de gênero.

Gostou? Compartilhe:

Veja também...