Green Day: a banda adolescente que virou ícone da militância política

Conheça a trajetória dos caras

Foto: Foto: Frank Maddocks/Billboard
Gostou? Compartilhe:

Quando Donald Trump ganhou a eleição, o Green Day viu sua popularidade subir nos serviços de streaming, com a música American Idiot, um hit de 2004, voltando a figurar entre as mais ouvidas nos Estados Unidos.

À época de seu lançamento, o disco homônimo vinha inspirado em uma oposição escancarada da banda à presidência de George W. Bush, e acabou tornando-se o maior sucesso da trajetória do Green Day. American Idiot  entrou na lista da Rolling Stone como um dos 500 melhores álbuns de todos os tempos e virou até musical da Broadway.

Mas engana-se quem pensa que a carreira do trio, formado por Billie Joe Armstrong, Mike Dirnt e Tré Cool, resume-se a esses feitos. A banda originária de Berkeley, na California, é considerada uma das mais bem-sucedidas da história do rock e já transitou entre temas que vão de insegurança adolescente à política, somando 30 anos de história.

Billie e Mike são amigos de infância e, inicialmente, juntaram-se a Al Sobrante na bateria para criar o Green Day. Mas a formação original durou só até o primeiro disco, 39/Smooth, lançado em 1990. Na sequência, Tré Cool assumiu as baquetas já para participar da gravação do segundo álbum, Kerplunk, que teve uma boa recepção nos Estados Unidos.

Era uma prévia do que estava por vir. Foi com Dookie, seu terceiro álbum de estúdio, que o Green Day conheceu o sucesso mundial. Lançado em 1994, o disco apresentou para os fãs hits como Basket Case, When I Come Around, She e Longview, músicas que mantêm lugar cativo na playlist de muita gente até hoje.As letras de Dookie tratavam de questões comuns aos jovens, brigas com namoradas, drogas e até masturbação, tudo acompanhado por um punk melódico e muito vídeo na MTV. A sonoridade e o sucesso comercial fizeram com que alguns seguidores do movimento punk começassem a chamar os caras do Green Day de vendidos. Críticas de um lado e aclamação do outro.

A banda seguiu em frente com Insomniac, quarto álbum de estúdio, lançado em 1995. O disco, que trazia um som mais agressivo, não alcançou a mesma recepção de Dookie, mas conseguiu algum reconhecimento, especialmente com o clipe de Walking Contradiction.

A virada na sonoridade e na temática das letras viria nos anos 2000, quando o Green Day começa a dialogar com novos gêneros, como surf rock e ska, e também a trazer letras com enfoque político.

O assunto já estava lá em Warning, sexto disco do grupo, mas só conquistou mesmo a atenção dos fãs a partir de American Idiot, uma punk opera rock com crítica política vivaz, que levou o Grammy 2005 de melhor álbum de rock.A política seguiu como carro-chefe no trabalho seguinte, 21st Century Breakdown, de 2009, que também mergulhou no formato de ópera rock e trouxe hits como Know Your Enemy e 21 Guns, esta última com lugar na trilha-sonora de Transformers 2.O Green Day retornou com os álbuns de estúdio em 2012. Foram três de uma vez, intitulados  Uno, Dos e Tré. O lançamento mais recente do grupo é Revolution Radio, de 2016. 12º álbum de estúdio do Green Day, o disco segue com a crítica política e social na ponta da língua. Não é à toa que o álbum tem o mesmo nome do site mais legal sobre música e política da Internet ;)

Gostou? Compartilhe:

Veja também...